© 2018 por UP Consultoria Jr.

Criado por João Pedro F. Marques

Siga a gente:

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • Branca Ícone LinkedIn
Buscar

Como fazer uma boa gestão de metas para sua empresa atingir o SUCESSO!



Todos esperamos colher bons resultados ao investirmos em algo, seja esse investimento em forma de capital, tempo ou esforço. Porém somente investir não é garantia de resultado, é preciso saber trabalhar com os recursos disponíveis. No caso de uma empresa, os principais recursos seriam: humanos, financeiros e o próprio tempo.


Então, para que aumentemos ainda mais nossas chances de prosperar, precisamos saber como lidar com cada um de nossos recursos. E é aí que entra a necessidade de conhecermos quem somos, qual a nossa situação no mercado atual e onde queremos chegar como unidade, como empresa, que são alguns pontos trabalhados durante o planejamento estratégico.


No presente artigo não iremos abordar com muitos detalhes sobre o planejamento estratégico de uma empresa, porém temos um artigo que aborda exclusivamente sobre isso. [https://www.upconsultoriajr.com.br/blog/planejamento-estratégico-a-chave-do-sucesso-para-sua-empresa]


Por meio do planejamento estratégico, obtemos os objetivos da empresa. Para alcançarmos esses objetivos devemos realizar uma série de tarefas, essas que são as metas. Porém somente a criação de metas não é garantia de que elas serão cumpridas. Tendo isso em vista, neste artigo serão abordadas formas de elaborar e gerenciar essas metas.


Elaboração das metas

Como dito anteriormente, as metas são tarefas que quando completadas resultam no atingimento dos objetivos da empresa. De forma geral, todas as metas devem obedecer a uma estrutura denominada SMART (do inglês Specific, Mensurable, Attainable, Relevant, Time Based).


· (S) Específicas: Deve estar claro o que deve ser feito para que não haja mais de uma interpretação;

· (M) Mensuráveis: Se não é mensurável não pode ser gerenciável;

· (A) Atingíveis: Devem ser desafiadoras, porém não impossíveis, metas impossíveis servem apenas para desmotivar quem as está executando;

· (R) Relevantes: Devem ter um impacto direto nos resultados da empresa;

· (T) Temporais: É importante que se determine o tempo para que sejam entregues os resultados, pois dessa forma garante-se que haverá entregas em seus devidos momentos ou ao menos irá gerar um senso de urgência no executor, seja para realizar a tarefa ou solicitar auxílio.


Gerenciamento de metas

Já conhecendo o que são e como elaborar as metas, abordaremos agora como gerenciá-las.

Atualmente não existe uma receita garantida de sucesso ao se tratar do gerenciamento das metas, porém foram desenvolvidas metodologias que auxiliam o profissional a gerenciá-las. Aqui abordaremos duas, possivelmente as principais atualmente: o BSC e o OKR.


Balanced Scorecard (BSC)

Metodologia desenvolvida por dois professores de Harvard, David Norton e Robert Kaplan. O intuito era desenvolver uma metodologia que não levasse em consideração somente os indicadores financeiros e de mercado, de forma que uma das principais características do BSC é a apresentação de 4 perspectivas: Financeira, de Mercado, de Processos internos e de Aprendizado e Crescimento.


Ao subdividir nessas 4 perspectivas fica claro a correlação que elas possuem. Para que obtenhamos os resultados financeiros esperados devemos satisfazer o nosso mercado (clientes). Para tal é necessário melhorar os processos internos. Que por sua vez só será possível se as pessoas que trabalham em nossa empresa crescerem como profissionais, obtendo experiência e inovando em nossos produtos/serviços.


Já tendo explicado o porquê dessas perspectivas, instruiremos quanto a forma de trabalhar com elas. Para todas devem ser definidas da seguinte maneira:


1. Objetivos: O que a empresa deseja alcançar.

2. Indicadores: Desempenho perante o objetivo.

3. Metas: Nível de performance dos indicadores.

4. Ações: Como a empresa irá trabalhar para garantir o alcance dos objetivos.


Perspectiva Financeira

· Para satisfazer nossos acionistas, quais objetivos financeiros devemos seguir?

· Como mensurar?


Perspectiva do Mercado

· Para atingir nossos objetivos financeiros, que necessidades de nossos clientes devemos atender?

· Como mensurar?


Perspectiva de Processos Internos

· Para satisfazer nossos clientes e acionistas, em quais processos internos devemos ser excelentes?

· Como mensurar?


Perspectiva de Aprendizado

· Para atingir nossas metas, como nossa organização deve aprender e inovar?

· Como mensurar?


Exemplo:

Deseja-se aumentar o faturamento em 50% em relação ao ano passado.

Objetivo: Aumentar faturamento.

Indicadores: Demonstrativo financeiro.

Meta: Aumentar o faturamento em 50%.

Ações: Diminuir o custo do produto/serviço.

Deseja-se aumentar o número de projetos em 50% em relação ao ano passado.

Objetivo: Aumentar número de projetos.

Indicadores: Número de projetos contratados.

Meta: Aumentar número de projetos em 50%.

Ações: Realizar prospecção Ativa.

Deseja-se garantir a satisfação quanto a qualidade do projeto.

Objetivo: Garantir a satisfação do cliente.

Indicadores: NPS.

Meta: NPS ≥ 9.

Ações: Melhorar o acompanhamento dos projetos.

Deseja-se garantir que as capacitações ofertadas estão sendo eficazes.

Objetivo: Garantir a qualidade das capacitações.

Indicadores: Nota das pesquisas de satisfação.

Meta: Nota das pesquisas de satisfação ≥ 8.

Ações: Rodar pesquisas de interesse quanto ao tópico das capacitações.


OKR

Metodologia popularizada pela Google, os OKRs possuem uma construção bem simples, porém sua aplicação gera algumas dúvidas. Dúvidas essas que esperamos que sejam sanadas ao fim desse artigo.

Objetivos e resultados chave, os OKRs, são estruturados da seguinte maneira:

Eu quero [objetivo] mensurado por [resultados chave].

Daremos alguns exemplos para melhor entendimento e após isso entraremos no mérito de cada parte dessa estrutura.

Exemplo:

Objetivo: Ser a maior empresa do Brasil.

KR1: Ter 10 bi de faturamento.

KR2: Possuir 60% do market share.

KR3: Crescer 20% o número de clientes.


Reparem que meu objetivo não possui nenhuma métrica, ele é o sonho da empresa. Os KRs são como saberemos que alcançamos esse sonho, são todos obrigatoriamente quantitativos. Perceba que nenhum desses KRs me dizem o que fazer para atingir o objetivo e sim quais resultados são almejados para que meu objetivo seja atingido.


Estabelece-se que:

· Objetivo: é o nosso sonho, o que desejamos alcançar.

o São qualitativos;

o Possuem responsáveis por seu acompanhamento;

o Possuem prazo de conclusão;

o Podem ser questionados pelos colaboradores.

· Resultados chave: São os critérios estabelecidos para indicar a proximidade do momento atual em relação ao objetivo.

o São SMART;

o Quantitativos (obrigatoriamente);

o Desafiadores, porém, não impossíveis;

o Recomenda-se trabalhar com indicadores.


O que diferencia essa metodologia das outras? Principalmente a sua elaboração: ela é feita inicialmente como top-down (pelo alto escalão da empresa) e depois bottom-up (por quem de fato vai executar). Ou seja, inicialmente a diretoria da empresa estabelece os OKRs da empresa, denominados Globais, para o trimestre e depois os integrantes das equipes criam OKRs que vão contribuir para o cumprimento dos OKRs da empresa.


Logo, toda empresa participa da criação de suas metas. “O que foi acordado, não sai caro”.


Os ciclos de OKR geralmente tem um tamanho de 3 meses, o intuito desse período, relativamente menor que as demais metodologias, é que dessa forma a empresa tem maior adaptabilidade e ainda sim possui um período bom de amostragem dos resultados.


Durante esses 3 meses ocorrem as reuniões mensais, nas quais são levantadas as dificuldades dos setores e tomadas ações corretivas a fim de que no próximo mês seja feito de uma forma melhor, e as reuniões trimestrais, essas que são apresentados os resultados de toda empresa e onde, de fato, é definido o cumprimento dos OKRs.


E aí, gostou dessas metodologias? Possui alguma dúvida? Entre em contato conosco e marque já seu diagnóstico!

Publicado por Nicholas de Carvalho Gomes, Vice Presidente da UP Consultoria Jr. (Gestão 2018)