© 2018 por UP Consultoria Jr.

Criado por João Pedro F. Marques

Siga a gente:

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • Branca Ícone LinkedIn
Buscar

Planejamento Estratégico, a chave do sucesso para sua empresa!


Em um mercado totalmente competitivo, é fundamental que as empresas repensem suas atividades a fim de identificar melhorias e garantir processos eficientes, assegurando sua sobrevivência em relação aos concorrentes. Mas, afinal, sua empresa sabe em qual cenário ela se encontra atualmente? Ela sabe aonde quer chegar e possui um caminho traçado para atingir esse objetivo? No artigo de hoje, iremos falar sobre planejamento estratégico, que consiste em criar planos de forma estratégica para se alcançar um determinado objetivo.

O artigo de hoje tem como objetivo mostrar a importância de um planejamento estratégico dentro de uma empresa, sabendo que ele possibilita um direcionamento a ser seguido pela organização. Além disso, iremos mostrar caminhos para realizá-lo de maneira eficiente. Um posicionamento estratégico bem claro é um meio de manter a sua empresa competitiva no mercado. Caso a empresa esteja em sua zona de conforto, onde não reage, não inova e não acompanha as mudanças do mercado, provavelmente será mais difícil que ela se mantenha no mercado.


Primeiramente, vamos entender os três níveis distintos de planejamento, que são: estratégico, tático e operacional. O planejamento estratégico é o mais amplo e aborda a organização como um todo. Seus efeitos se estendem por vários anos. O planejamento tático compreende cada unidade da organização separadamente e seus efeitos são de médio prazo. O planejamento operacional compreende cada tarefa ou operação, apenas, e seus efeitos são de curto prazo. A Fig. 1 representa os três níveis de planejamento.


Pode-se observar que o planejamento estratégico está no topo, isso quer dizer que se trata do plano maior ao qual todos os demais planos estão subordinados. Ele permite focar sobre aquilo que é estrategicamente importante para a empresa no futuro, com objetivos de longo prazo (CHIAVENATO, 2009).

Agora que sabemos a diferença entre os níveis de planejamento, vamos aprofundar um pouco mais sobre planejamento estratégico. Para que sua empresa tenha a capacidade de competir no mercado, é de extrema importância que ela tenha um posicionamento estratégico bem definido. Dessa forma, a empresa precisa saber onde se encontra e, para isso, uma análise de ambiente irá auxiliar. Uma ferramenta eficiente e fácil de ser utilizada é a matriz SWOT (ou FOFA), que determina as oportunidades e as ameaças que estão relacionadas externamente à empresa, as forças e as fraquezas que se encontram dentro da empresa. Nesse último caso, a empresa tem poder de alterar essa situação. Já para as influências externas à empresa, a organização não possui controle.

Além disso, a empresa precisa definir a sua identidade organizacional. Para isso, é fundamental que os integrantes de toda a organização saibam sua importância. Essa identidade é composta por missão, visão e valores. A missão de uma empresa refere-se à importância dela existir, à sua razão de ser. Para elaborar a missão de sua empresa, pense em três questões: “o que ela faz”, “como ela faz” e “para quem ela faz”. A visão diz respeito a um sonho a ser perseguido. Os valores descrevem a forma de conduta de todos os membros dentro da organização.


A próxima etapa é um processo de formulação de objetivos e metas, que simbolizam um resultado a ser alcançado. Para a definição dessas metas, pode-se utilizar a metodologia SMART, sendo que “S” quer dizer que uma meta precisa ser específica, “M” indica que a meta precisa ser mensurável, “A” diz que a meta deve ser alcançável, “R” para o critério de relevância e a letra “T” refere-se à temporal, ou seja, as metas precisam ter um tempo definido para se concretizar. Para atingir os objetivos, é importante formular estratégias.


Para defini-las, pode-se utilizar a matriz GUT. Ela tem como objetivo priorizar os problemas e, em seguida, tratá-los. Inicialmente, o responsável irá definir os principais problemas na empresa e, a partir disso, irá pontuar cada problema, tendo três níveis: gravidade, urgência e tendência. Os valores atribuídos podem variar de 1 (um) - para situações com menos importância - e 5 (cinco) - para problemas que requerem uma atenção imediata. Para o quesito gravidade, é importante considerar qual é o impacto do problema sobre as coisas e pessoas e efeitos que serão surgidos em longo prazo, caso ele não seja solucionado. Para o quesito urgência, é fundamental que analise o tempo disponível ou necessário para resolver o problema. Para o quesito tendência, analisa-se qual a tendência de crescimento do problema. Por fim, multiplicam-se os valores atribuídos para cada problema, ou seja, gravidade x urgência x tendência. Os problemas que obtiverem maior pontuação são os que requerem uma atenção imediata e, portanto, precisam ser priorizados.


Assim que os objetivos são estabelecidos, estes devem ser desmembrados em metas a serem atingidas. Para cada meta, concedem-se indicadores de desempenho, que servem para acompanhar cada tarefa realizada na empresa, a fim de identificar se objetivos determinados estão sendo atingidos. Os indicadores escolhidos devem ser analisados regularmente, com a finalidade de avaliar sua eficiência.


Feito isso, é hora de traçar os planos de ação para cada problema priorizado. Esses planos constituem-se de ações, prazos e responsáveis. É preciso definir os recursos que serão utilizados, todos os gastos precisam ser calculados.


Depois disso, é possível implementar o planejamento. Lembrando que, como as empresas estão inseridas em um ambiente mutável, deve-se definir um responsável pelo monitoramento, o qual terá a função de refazer o diagnóstico estratégico em um período determinado. Outro ponto que é de extrema importância é que os passos que foram explicados no decorrer desse artigo devem estar alinhados. Não há como elaborar um plano de ação sem conhecer o cenário que a empresa se encontra. Lembre-se também que cada empresa tem suas particularidades e, portanto, não existe um modelo padrão de planejamento estratégico que se enquadra em todas as organizações. Não existe uma fórmula para criar uma empresa bem-sucedida e de alto desempenho, mas esse processo de planejamento estratégico é o responsável por conduzir a empresa a seguir uma evolução contínua. Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com a nossa empresa!


Publicado por Jéssica de Jesus Bernardo Manoel, Consultora da UP Consultoria Jr. (Gestão 2018)